Além da curiosidade dos outros, conflitos gerados por vivências diferentes são desafios dos casais

Carol e Raul, o novo casal do horário nobre
Rede Globo/Divulgação
Carol e Raul, o novo casal do horário nobre
O amor entre pessoas com idades muito diferentes está em todos os lugares, e também na televisão. A novela “Insensato Coração”, da Rede Globo, traz o tema mais uma vez aos lares com o novo casal Carol (Camila Pitanga) e Raul (Antônio Fagundes). Ele, aliás, tem idade para ser pai dela, como dizem. No entanto, o par romântico deve cair no gosto popular, Fagundes é um papa-anjo escolado. Em 1993, na pele do coronel Zé Inocêncio, ele se casou com a jovem Mariana, então namorada do seu filho, vivida por Adriana Esteves. Na televisão ou na fila do supermercado, o assunto não é novo, mas ainda causa – no mínimo – curiosidade.

Leia mais sobre relacionamentos:
A importância do namoro no casamento
Brigas e sexo sem vontade são positivos
Conheça as cinco armadilhas do amor

Fagundes na novela Renascer, em 1993
Rede Globo/Divulgação
Fagundes na novela Renascer, em 1993
“Existe um preconceito de quem está de fora, de que numa relação assim sempre tem alguém que está se aproveitando e o outro sendo explorado”, explica Eliana Piccoli Zordan, doutora em psicologia e coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre Conjugalidades e Famílias do URI (Universidade Regional Integrada). Para a especialista, as pessoas têm uma imagem de que nesses casos não há afeto e amor e, por isso, tendem a rejeitar a ideia.

O ser humano é resistente às alterações de padrões de comportamento. Manter o que se aprendeu ao longo de anos parece ser mais confortável do que ousar alguma modificação que gere questionamentos e dúvidas, explica Célia Regina Siqueira, psicóloga. “O tema será alvo de debates até o dia em que passe a ser mais um padrão, absorvido e compreendido”.

Mas como lidar com as situações difíceis neste contexto? Especialistas no assunto e casais que vivem relações com diferença de idade falam sobre experiências e saídas.

Bom humor, acima de tudo
É sua filha? Não, minha esposa. Mariana Costa, coordenadora de suporte técnico, 28 anos, casada há três com João Orubajara, 48 anos, viveu algo parecido. “Fomos comprar uniforme escolar para o filho do João e a costureira achou que fosse pra mim. Morremos de rir porque a senhora não fez por mal”, conta. Fizeram certo. Em situações como essa o ideal é encarar com bom humor. “A saia justa acontece quando as pessoas estão fechadas nos modelos e arranjos conjugais tradicionais. Isso não tem nada a ver com o casal, mas sim com o contexto social”, aconselha Eliana Piccoli.

A escritora Luna Guedes, 29 anos, também tira de letra esse tipo de situação ao lado do marido, o engenheiro Marco Antônio Guedes, 65 anos. “Uma senhora comentou ‘Bonito o senhor seu pai’. Ele mudou de cor, já eu, fiz um carinho no rosto dele e disse ‘concordo com a senhora’, então dei um beijo bem caprichado na boca dele”, conta Luna, que até hoje se diverte com o episódio.

No caso da mulher ser mais velha, no entanto, o conflito maior acaba sendo interno, da própria mulher. Mena Vianna, professora de Brasília, 50 anos, é casada com o eletricista Gilvan José dos Santos, 30 anos. “A questão da idade foi muito mais difícil pra mim. Eu fiquei ressabiada com a diferença e, no início, não queria nada com ele”, conta Mena. “Hoje nós simplesmente não ligamos para os outros”, completa.

Demi Moore, 48 anos, nasceu em 1962, e o marido Ashton Kutcher, 33 anos, nasceu em 1978
Getty Images
Demi Moore, 48 anos, nasceu em 1962, e o marido Ashton Kutcher, 33 anos, nasceu em 1978
A nova e a antiga família
A aceitação do parceiro por parte da família é importante em qualquer relacionamento. No caso dos parceiros com diferença de idade, a situação pode ser ainda mais delicada. Sandra Regina da Costa, 57 anos, é casada com Ademar da Costa, 47 anos. “Quando nos casamos eu tinha 28 e ele 18, no interior do Paraná. Muita gente dizia que não ia dar certo, que ele não levaria o casamento a sério e só queria se divertir”. Eles estão juntos há 30 anos e garantem que vivem felizes, mas Sandra acha que a família dele nunca a aceitou 100%. “Nós tivemos duas filhas e sempre vivemos a nossa vida mais à parte. Ele comprou minha briga e nunca ligamos muito para o que os outros pensavam”.

Outro ponto que pode abalar a relação é quando o parceiro mais jovem sonha em ter filhos, mas o mais velho não. Mariana Costa sente que João fica temeroso com o assunto. “Ele acha que vai estar muito velho quando o filho for jovem e tem até medo de não estar mais aqui”. Já Luna Guedes é convicta na sua opção ao lado do marido que já tem filhos de outro casamento. “Eu não quero ter filhos, nunca quis. Temos um cachorro lindo e pra mim está ótima a nossa família”, brinca.

Segundo a psicóloga Célia Siqueira, a escolha de ter ou não ter filhos merece muita reflexão. “Abrir mão de projetos pessoais em nome do outro é algo muito significativo e pode determinar o trajeto do relacionamento”. Eliana complementa: os filhos não precisam ser necessariamente biológicos. “O conceito de família atual está muito mais associado a laços afetivos e de compromisso. Estamos diante de tantas quedas de paradigmas. Um casal homossexual, por exemplo, terá de buscar formas alternativas para ter filhos”. Para a especialista, o relacionamento se manterá enquanto esses e outros conflitos forem negociáveis, independente da idade de cada parceiro.

De geração em geração
Simone Miletic, contadora de 34 anos, casada com o administrador Carlos Miletic, 49 anos, também coleciona situações engraçadas que envolvem choque geracional. “No nosso segundo encontro ele me contou que gostava do Genesis com o Peter Gabriel. E eu perguntei: ‘Peter Gabriel do Genesis?', e ele ‘Sim, eles vieram ao Brasil e tudo, em março de 76’. Respondi: Ah tá, é que nasci em maio. Rimos disso até hoje”.

A diferença entre gerações pode levantar ainda questões mais sérias. Simone concorda que há diferenças. “Ele é mais fechado quando o assunto é homosexualidade, por exemplo. E, mesmo que não admita, tem dificuldade em lidar com o meu papel em casa, é mais machista mesmo”. Mariana Costa também lida com algumas disparidades. “Eu tenho uma tatuagem que o João não aceita. Ele diz que, na época dele, tatuagem era coisa de marginal. Pode?”. Ela conta que o marido também tem dificuldade de aceitar a homossexualidade e a liberdade da mulher de hoje. Para Mariana, isso tem a ver com a época em que ele foi criado e com a educação conservadora que recebeu da família de militares.

Ela tem razão, em partes. “Toda relação é permeada por divergências de valores e opiniões. Independente se há ou não diferença de idade. Mas se duas pessoas estão juntas é porque as afinidades predominam. O mais importante é saber conciliar interesses individuais e conjugais”, aconselha Eliana. Célia acrescenta que é natural que vez ou outra haja divergência de interesses. “É saudável exercitar a individualidade, sem medo e sem culpa”.

Cinco toques para os casais:
1. Enfrente a realidade sem subterfúgios, ou seja, é essencial assumir a idade real, com as facilidades ou limitações inerentes. Não finja ser igual enquanto se é diferente. É justamente na diferença que está a beleza de tais relacionamentos.

2. Conscientize-se de que cada um tem uma história, um passado, valores, projetos e planos que, a partir da decisão de um relacionamento, deverão receber uma nova leitura e uma nova interpretação.

3. Evite dar conselhos iniciados pelo chavão “na minha época...” ao parceiro mais jovem. Isso só distancia o casal.

4. Não exija que o parceiro mais velho pareça mais jovem, como se vestir de maneira inapropriada para a sua idade.

5. Não prive o mais jovem de exercitar sua juventude ou impeça o mais velho de viver sua maturidade.

Leia também:
Perguntas constrangedoras sobre sexo respondidas
Guia ilustrado traz 30 posições sexuais
Orgasmo também se aprende, sabia?

    Leia tudo sobre: amor
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.