Perfis falsos nas redes sociais e programas espiões são usados para confirmar a infidelidade conjugal na internet

Longe dos olhos dos parceiros, muitos homens e mulheres comprometidos têm aproveitado a privacidade oferecida pela internet para conhecer intimamente outras pessoas. Assim, a web é usada para conversas picantes com desconhecidos em diversas bases. Mas a "pulada de cerca" online já não é tão secreta quanto antes. Para atender à demanda crescente dos desconfiados, profissionais especializados em descobrir traições agora também atuam online.

Com 50 anos de trabalho no mercado de investigação particular brasileiro, a espanhola Angela Detetive tem tanta experiência na área que até adotou o nome da sua profissão como sobrenome. Ela conta que nos últimos cinco anos tem aumentado muito o número de esposas e maridos que a procuram para vasculhar o comportamento de seus parceiros no mundo virtual. “Eles chegam reclamando, por exemplo, que o cônjuge costuma sair da cama no meio da madrugada, na ponta dos pés, para usar escondido o computador”, descreve a expert, revelando a conduta que mais intriga seus clientes.

Com 50 anos de experiência, a detetive Angela se especializou em investigação na internet
Alexandre Carvalho/ Fotoarena
Com 50 anos de experiência, a detetive Angela se especializou em investigação na internet
De acordo com Angela, os sites de encontros , as redes sociais e as salas de bate papo são os serviços mais usados por quem quer se relacionar com outras pessoas fora do casamento na web. “O cara tem medo ser descoberto se paquerar no trabalho ou na academia. Então, parte para internet”, explica a profissional. Mas para o azar de quem trai, os investigadores conseguem, na maioria das vezes, flagrar as traições virtuais.

O também detetive Alex Beker revela uma estratégia de investigação na internet. “A gente cria perfis falsos em redes sociais como Facebook e Orkut. Em seguida, fazemos amizade com o marido ou a esposa, dependendo do caso, e começamos a interagir”, conta o profissional. A intenção dessa interação é ganhar a confiança do investigado. Com o passar do tempo, é proposto a ele um encontro pessoal ou sexo virtual. Neste último caso, a situação é registrada em fotos ou em vídeo para comprovar a traição.

Para que o perfil falso não gere desconfiança, Alex faz amizade numa rede social primeiro com os amigos do possível traidor. “Ele vê que vários conhecidos dele são amigos dessa pessoa no Facebook e não fica com o pé atrás”, esclarece o detetive. Em serviços de mensagens instantâneas que possibilitam o uso de câmeras, como MSN e Google Talk, imagens de homens ou mulheres sedutores atraem os investigados – são usadas fotos de modelos e “atores” ou “atrizes” para os vídeos.

“Tem cara que já vai tirando a roupa logo na primeira conversa. Já alguns levam mais de um mês para se sentirem à vontade”, diz Angela. Livres das roupas, claro, eles iniciam a masturbação. No caso das mulheres, elas raramente são pegas em tais situações constrangedoras. Preferem se envolver de forma mais romântica, fazendo confissões da intimidade.

Alguns recursos tecnológicos também ajudam nesses flagrantes. “Programas espiões registram tudo que a pessoa faz no computador. Autorizados pelo cliente, nós também instalamos câmeras escondidas nos ambientes da casa. Se ele (ou ela) fizer sexo virtual, vai ficar registrado”, esclarece o investigador Marco Aurélio, que prefere não revelar seu sobrenome por conta do trabalho sigiloso.

Mas o que acontece quando alguém tem provas de que realmente está sendo traído? “Tem gente que chora e se revolta. Dizem que vão se separar imediatamente. Você tem que atuar um pouco como psicóloga nessas horas”, avalia Angela. Já outras pessoas têm reações menos obvias. “Algumas mulheres ficam satisfeitas, afinal o marido está traindo 'só' na internet, e não fora dela. Ficam aliviadas e até dão risada da situação”, conta Alex. “Em alguns casos, o traído virtualmente nem conta para cônjuge que sabe da situação”, completa o detetive.

Tudo fica pior nas ocasiões em que o traidor aceita marcar um encontro pessoal depois do relacionamento virtual. “Ele chega ao lugar e acaba dando de cara com a esposa ou o marido. Esses momentos são sempre constrangedores porque não há muito o que dizer. É preciso ficar atento para que as coisas não descambem para agressão física”, alerta Marco Aurélio. [ comente essa matéria ]

Lista de sinais que indicam que o (a) parceira (a) pode estar traindo virtualmente:

- Ele (a) nem chegava perto do computador, agora não sai da frente da máquina nem pra comer.

- Muda de atitude ou demonstra animação antes e depois de usar o computador.

- Quando alguém chega perto do computador, ele (a) muda imediatamente de tela e finge estar jogando paciência ou coisas do tipo.

- Antes dividia o computador com todos da casa, agora comprou um notebook protegido por senha para ninguém usar.

- Ele (a) limpa o histórico de navegação sempre que desconecta o computador.

Clique aqui para assinar a newsletter do Delas

Siga o @delas no Twitter e curta a página do Delas no Facebook

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.