Data foi instituída por João Dória, pai do ex-prefeito de São Paulo, em 1948, para melhorar as vendas de junho; a jogada funcionou, e, anualmente, lojas de varejo têm um faturamento superior a R$ 40 mil só nesse mês

Você já se perguntou de onde surgiu o Dia dos Namorados? Ou por que ele é comemorado em uma data completamente diferente da que acontece em vários outros países? Muitos associam o dia 12 de junho, quando acontece a comemoração, à véspera do Dia de Santo Antônio, o santo casamenteiro, celebrado no dia 13 de junho, acreditando que a data tem até um fundo religioso - mas não é bem assim.

Leia também: Confira 5 opções de presentes para fugir do óbvio ao presentear seu amor

O Dia dos Namorados foi instituído como uma jogada de marketing para aumentar o consumo no mês de junho
shutterstock
O Dia dos Namorados foi instituído como uma jogada de marketing para aumentar o consumo no mês de junho


O Dia dos Namorados foi criado por um publicitário, ninguém menos do que João Dória, pai do ex-prefeito de São Paulo, como uma forma de estimular as vendas no mês de junho, época tradicionalmente menos lucrativa para comerciantes.

A primeira vez que a data foi celebrada foi em 1948, quando a agência de Dória foi contratada por uma loja para melhorar os resultados de suas vendas em junho. O publicitário acabou se aproveitando da popularidade do dia 13 de junho, de Santo Antônio, padroeiro dos casamentos, para sugerir o dia 12, pois “primeiro se namora, depois se casa”.

Leia também: Veja um passo a passo de maquiagem romântica para aquele date

Com o slogan “Não é só com beijos que se prova o amor ”, a sugestão funcionou. Anos depois, em 2017, as vendas em varejo, por exemplo, tiveram um faturamento de R$ 44 milhões por ocasião da data, sendo uma das datas comemorativas mais lucrativas, de acordo com a FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo).

Valentine’s Day, o "outro" Dia dos Namorados

Tradicionalmente, no resto do ocidente, o Dia dos Namorados é celebrado no Dia de São Valentim, em 14 de fevereiro - o famoso “Valentine’s Day” -, em homenagem a um mártir da Igreja Católica chamado Valentim.

A história conta que Valentim era um padre romano que foi condenado à morte no século 3 por realizar casamentos secretos - naquela época, o imperador de Roma, Claudio 2, havia banido as cerimônias por acreditar que homens casados não se tornavam bons soldados.

O relato ainda conta que, prestes a ser morto e enquanto preso, Valentim se apaixonou pela filha de seu carcereiro, a quem enviou uma última carta antes de ser executado. A partir daí, teria surgido o costume de trocar cartas com declarações apaixonadas no dia.

Foi apenas dois séculos depois de sua morte que o então papa Gelásio santificou o padre, que acabou se tornando o protetor dos namorados , e a data começou a ser comemorada.

A escolha do dia 14 de fevereiro, especificamente, foi feita porque os romanos já celebravam a data por ocasião da chegada da primavera, que representava a fertilidade. Na festa, chamada de Lupercalia, os jovens sorteavam nomes de garotas e se tornavam os namorados delas durante o evento, podendo até se casar.

Leia também: No início do namoro, o ideal é se ver apenas duas vezes por semana; entenda

Para acabar com essa tradição “pagã” sem provocar insatisfação popular, o Dia dos Namorados  foi instituído pela Igreja Católica no mesmo dia, inclusive com ritos e comemorações similares.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.