Tamanho do texto

Apesar de ser um órgão poderoso - e o único do corpo humano voltado apenas para o prazer - o clitóris ainda não é algo familiar para muita gente

Ainda hoje, o prazer feminino é um tabu. Diferentemente de meninos, as meninas crescem sem o incentivo à descoberta do próprio corpo e mulheres que gostam de sexo ou falam abertamente sobre o tema não são vistas com bons olhos por muita gente. Também é chocante pensar que, de acordo com um estudo realizado pela Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) em 2015, cerca de 3 milhões de meninas e mulheres sofrem mutilação genital por questões culturais e até religiosas. O mais contraditório é o fato de tudo isso acontecer com a mulher, ser que tem o único órgão do corpo humano voltado única e exclusivamente para dar prazer. Estamos falando do clitóris.

Leia também: Confira algumas curiosidades, mitos e verdades a respeito da vagina

Por ser o único órgão do corpo voltado apenas para o prazer, o clitóris tem um papel importante na sexualidade feminina
Shutterstock
Por ser o único órgão do corpo voltado apenas para o prazer, o clitóris tem um papel importante na sexualidade feminina

Apesar de tudo isso, porém, cada vez mais mulheres estão descobrindo a própria sexualidade, mas muitas ainda têm problemas relacionados ao prazer. No entanto, quanto mais a mulher conhece o próprio corpo, mais domínio tem sobre o prazer. Sendo assim, separamos alguns fatos curiosos sobre o clitóris (e apostamos que o número quatro será uma surpresa para você); confira: 

1. Ele é “mais poderoso” que o ponto G

De acordo com um estudo publicado no início deste ano pelo periódico “Archives of Sexual Behaviour”, o combo de sexo oral, estimulação genital e beijos profundos rende mais orgasmos às mulheres do que o sexo com penetração vaginal. Apesar de muitas se culparem pela dificuldade em chegar ao orgasmo durante a penetração, a especialista em sexualidade Cátia Damasceno explica que isso é perfeitamente normal.

Segundo ela, isso acontece, em primeiro lugar, pela localização do clitóris. Ao contrário do ponto G, localizado na parte frontal do canal vaginal, esse órgão tem uma parte externa, facilitando o alcance. Em segundo lugar, a especialista afirma que ele possui mais terminações nervosas que o ponto G, tornando a pele da região bem mais sensível ao toque. Além disso, ele também tem o dobro de terminações nervosas que a glande do pênis. É muito poder!

2. Ele é (bem) maior do que você imagina

Se você está pensando que o clitóris é apenas aquele “botãozinho” localizado na região superior da vulva, se enganou, já que essa parte é apenas a “ponta do iceberg”. Após investigar melhor o órgão na década de 90, a urologista australiana Helen O’Connel descobriu que, além da parte externa, o órgão se estende para a parte interior da região íntima feminina sob um formato alongado, como na foto abaixo:

Apesar de ter uma parte externa, o clitóris tem um formato alongado e se estende para a região interior da vulva
Shutterstock
Apesar de ter uma parte externa, o clitóris tem um formato alongado e se estende para a região interior da vulva


Justamente por esse motivo, a estimulação da parte externa não é o único toque prazeroso para a mulher; fazer pressão nos arredores dessa pontinha e nos lábios da vulva também provoca sensações boas. Você aprende algo novo todos os dias, não é mesmo?

Leia também: Animação sobre clitóris desmistifica o órgão feminino do prazer; assista

3. Ele nunca para de crescer, mas não envelhece

Pois é, além de ele ser maior do que parece, nunca para de crescer. De acordo com Colin Richards, especialista em relacionamentos e sexualidade consultado pelo veículo “Cosmopolitan”, ele continua crescendo mesmo após a puberdade, assim como, por exemplo, narizes. Além disso, não há diferenças físicas entre o órgão de uma mulher de 30 e uma de 70 anos. Mágico, né?

4. Assim como o pênis, ele também fica “ereto”

É isso mesmo. De acordo com a ginecologista Mariana Maldonado, a origem embriológica do clitóris é a mesma do pênis, ou seja, quando o embrião está se formando, os dois órgãos são criados a partir do mesmo conjunto de células, e isso faz com que ambos tenham características parecidas. A médica afirma que os dois têm a mesma estrutura interna e que, sendo assim, o “botãozinho do prazer” também passa por um processo de ereção. Segundo ela, ele só não é tão perceptível quanto o do pênis em razão do tamanho aparente do órgão.

Além disso, de acordo com a ginecologista Bárbara Murayama, assim como o pênis, o órgão feminino também tem uma espécie de prepúcio, ou seja, um trecho de pele que recobre a região. Ela afirma que, sendo assim, é interessante expor um pouco a região e deixar a água cair ali durante o banho.

5. Ele incha durante o período de ovulação

Há alguns estudos científicos que indicam que, durante o período de ovolução (cerca de duas semanas antes da menstruação descer), o órgão fica um pouco maior do que o normal. Isso pode ter relação com o fato de que, durante esses dias, há uma bagunça hormonal que deixa a mulher mais excitada do que o normal (uma forma da natureza mostrar à ela que ela está fértil), mas os fatores que levam a esse inchaço ainda são relativamente incertos.

6. É o único órgão do corpo humano voltado só para o prazer

Ainda que o corpo humano tenha inúmeras zonas erógenas – regiões cuja quantidade maior de terminações nervosas as tornam mais sensíveis ao toque, gerando excitação sexual quando estimuladas –, como pescoço, mamilos, lábios e, obviamente, órgãos genitais, o clitóris é o único órgão que não possui função alguma a não ser dar prazer à mulher.

Apesar de ter a mesma formação que o pênis, o órgão sexual masculino também é parte do sistema excretor, fazendo com que ele também sirva para fazer xixi. O “botãozinho”, no entanto, serve apenas como um veículo para que a mulher chegue um orgasmo. Você precisa de mais algum motivo para dar atenção especial a ele?

Leia também: Você conhece sua pepeca? Saiba tudo sobre a região íntima feminina

7. Nenhum é igual ao outro

Assim com o pênis e a vulva , os clitóris não são iguais uns aos outros. Alguns deles são mais aparentes, outros são bem escondidinhos. Alguns são bizarramente sensíveis, outros, não. Alguns dão mais prazer quando estimulados diretamente, enquanto outros se dão melhor com estimulação nos “arredores”. Mas, ainda assim, há uma coisa em comum: todos devem ser reverenciados como o órgão mágico que são!

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.