Falar já no primeiro encontro ou esperar a relação ficar mais íntima? Especialista em relacionamentos dá dicas para enfrentar esse dilema de toda mãe solteira

Muita gente ainda acha que a maternidade é empecilho na hora de encontrar um novo amor. Para muitas mulheres jovens, o fato de ter um filho dificulta a aproximação com alguns homens e as torna mais exigentes quando a questão é aprofundar uma relação.

A dúvida de como e quando contar sobre a criança assusta, pois nem todos os homens lidam bem com a situação. Além disso, homens e mulheres têm modos diferentes de pensar, bem como perspectivas distintas sobre namoro, casamento e filhos.

Paquera com filhos: ser sincera é a melhor receita para evitar decepções no futuro
Thinkstock/Getty Images
Paquera com filhos: ser sincera é a melhor receita para evitar decepções no futuro


No geral, não há uma regra que determine o sucesso ou o fracasso de uma relação com base no fato de um dos dois ter filhos e o outro não. Uma dica útil é tentar identificar o momento de vida pelo qual a pessoa está passando. Se está investindo na carreira ou acabou de mudar de casa e sair de um relacionamento fracassado, o primeiro encontro pode não ser a hora ideal para falar.

“É importante entender que não há um momento perfeito para falar sobre a existência de um filho. O fundamental é ser sincero e natural. Se o assunto surgir, deve ser tratado com transparência” – ensina o psicólogo e especialista em relacionamentos Alexandre Bez.

Leia também: Saiba como não ser enganado com perfis falsos nas redes sociais

Foi assim com a administradora de moda Lara Regina (24), mãe de Giulia, de um ano e oito meses, que se separou logo após o nascimento da filha.

“Eu sempre falei que sou mãe logo que conheço o cara, sem rodeios. É natural que ao falar de minha vida, eu fale de minha filha. Ela é parte dela! E se for para rolar algo, prefiro ser verdadeira” – explica ela, que está em um relacionamento firme há quase um ano.

“Eu nunca percebi qualquer tipo de rejeição. Pelo contrário! Quando digo que sou mãe, eles logo querem saber mais”.

Atenções divididas

Um dilema constante na vida de mães que separam e voltam a namorar é sobre como dividir o tempo entre o filho e o namorado. Segundo Alexandre é preciso estabelecer arranjos que permitam flexibilidade para os dois lados.

“Você pode deixar de sair com o namorado aos sábados, mas é importante que compense em seguida, reservando um dia da semana, para um café e quem sabe um cinema”.

Em geral, os homens mais velhos costumam entender melhor essa dinâmica, em que a criança é uma prioridade. Para os mais jovens, que estão em um momento da vida no qual o foco é investir em formação, carreira, aquisição de independência, bens e recursos financeiros, a dinâmica de um relacionamento com uma mulher que é mãe, pode assustar – especialmente os mais inseguros. No entanto, nada impede que homens jovens levem a relação adiante, aponta o psicólogo.

Para resolver o conflito divisão do tempo, uma opção é incluir a criança no passeio do casal. No entanto, a decisão ainda gera controvérsia. Para Lara, a filha ainda é muito pequena para ter contato com outra figura masculina que não o pai (que a visita regularmente). Ela crê que isso poderia causar confusão de sentimentos e evita aproximações.

“Já aconteceu de o próprio cara sugerir levar minha filha junto para um passeio de final de semana, quando eu disse que não poderia vê-lo. Eu neguei na hora.”

Para o psicólogo, a aproximação da criança e do pretendente deve ser cautelosa. Antes de tudo, a mulher deve se perguntar se realmente tem a intenção de dar continuidade àquela relação. Se a resposta for positiva, aí sim pode-se apresentar as duas partes. Tudo para evitar que o filho venha a se apegar a essa presença masculina para, logo depois, sofrer com um eventual rompimento.

“Até os sete anos, a criança está formando a personalidade e é preciso evitar traumas de separação, principalmente nos casos em que o pai é mais ausente. Por isso, a mãe deve ter certeza da continuidade da relação” – explica o especialista. No caso de crianças maiores um possível rompimento se torna mais fácil, pois já existe uma facilidade em conversar com a criança e explicar a situação.

Passado e futuro

Um problema comum enfrentado por quem namora uma mulher com filhos é quando o pai da criança ainda tem sentimentos pela mãe e deseja uma reaproximação. Cria-se aí uma disputa na com a qual nem todos os homens conseguem lidar. Para que isso não ocorra, a mulher precisa ser decidida e pontual na forma de se relacionar com o ex. Deixar o namorado atual a par de todos os acontecimentos e mostrar para ele que não há interesse nenhum dela em reatar o passado.

Outro ponto delicado é a questão de ter ou não mais filhos. Muitas mulheres, após a experiência da maternidade, preferem esperar mais ou não desejam ter outros filhos. É o caso de Lara, que não pensa em casar tão cedo e afirma que só terá novos filhos quando Giulia estiver com mais de 10 anos. Para alguns homens isso pode ser um grande problema. Por isso, é fundamental conversar sobre os objetivos de vida de cada um antes de deixar as coisas ficarem mais sérias. Se o homem deseja ser pai em um futuro próximo e a mulher não quer ter mais filhos, a relação pode se tornar inviável.

“A partir do momento que há o desejo mútuo de uma relação séria, é importante ser 100% sincero desde o princípio, inclusive discutindo o futuro da relação”, diz Bez.

Leia mais: Eu quero ter filhos e ele, não

Se houver mesmo o afeto, as partes precisam entrar em um acordo para que nenhuma delas se sinta prejudicada, o que poderia gerar cobranças e rancores futuros. Em geral, em nome da continuidade da relação, o casal acaba formando novos acordos que satisfaçam os dois.

++ MAIS: Veja abaixo algumas regras do primeiro encontro que você pode (e deve!) quebrar, se quiser:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.