Nem sempre o sexo anal é tão prático, a penetração tão imediata e a transa, tão alta. Sexólogos e a ex-atriz pornô Vivi Fernandez ajudam a desmitificar clichês dos filmes adultos

Não existe um trabalho consistente de educação sexual nas escolas, o que faz com que muitos adolescentes se baseiem nos filmes adultos para idealizar a vida sexual. "Consequentemente, os homens acham que o sexo deve ser como os filmes pornôs mostram, e as mulheres imaginam que aquilo é o que seus parceiros esperam dela", explica João Luís Borzino, médico sexologista e terapeuta sexual. Mas os filmes pornográficos têm uma linguagem própria, estilizada e feita para o espetáculo, que nem sempre tem a ver com o sexo na vida real. "Ali, o feminino é masculinizado, como se a vagina fosse o centro, e as mulheres não precisassem ser acariciadas, amadas ou conquistadas", explica Borzino.

Entre quatro paredes, na vida real, o sexo é bem diferente do mostrado nos filmes pornôs
Felicidade
Entre quatro paredes, na vida real, o sexo é bem diferente do mostrado nos filmes pornôs



Leia também: Vício em sexo pode não ser doença

Os homens são mais ligados ao visual, tanto que as revistas de nudez feminina são produzidas para eles – e as de nudez masculina também. Essa preferência declarada, no entanto, também pode ser justificada pela educação. "As mulheres são resistentes a esses vídeos, porque nunca tiveram liberdade de assisti-los. Afinal, a maioria pensa: 'Como vou ser considerada decente se eu gostar?' E não tem nada de mais. Qualquer um pode ter vontade de ver, desde que não se torne dependente e só consiga se excitar por meio deles", afirma Carla Cecarello, psicóloga especialista em Sexualidade Humana e mestre em Ciências da Saúde.

A dançarina e ex-atriz pornô Vivi Fernandez diz que, nos filmes pornôs, tudo não passa de uma ilusão muito bem criada. “É diferente do mundo real. As posições são forçadas e todo mundo já chega louco para tirar a roupa. Não é assim: é importante ter um clima antes, conversar, jantar, beijar”, revela.

E, no fim das contas, o que os homens querem é ver a cena completa e se projetar em situações em que nunca estiveram antes. “É comum as mulheres terem ciúme quando seus namorados ou maridos veem esse tipo de conteúdo. Elas ficam incomodadas porque talvez não têm aquele corpo em forma, pensam que não são tão bonitas como as atrizes e que não fazem coisas tão incomuns. Hoje eu sei que não é verdade. Se eles não a amassem, não estariam com elas – eles não se importam com a gordurinha localizada ou a celulite”, explica Vivi.

Abaixo, veja 12 mitos do pornô desmitificados.

1. O sexo anal é sempre simples e prático

Pode ser prazeroso, mas não é tão fácil assim. Os dois precisam querer, se sentir à vontade e tomar alguns cuidados. “A mucosa anal absorve vírus e bactérias com facilidade, portanto o uso do preservativo é imprescindível. Do contrário, o pênis pode entrar em contato com restos de fezes e o homem pode ter alguma infecção ou corrimento”, alerta Carla. Além disso, o ânus precisa da ajuda de um lubrificante para a penetração.

Leia também: Sexo anal dói? Especialistas tiram as dúvidas sobre o assunto

2. O sexo oral é sempre feito com maestria

Muitas mulheres não têm sexo oral na sua lista de prioridades e, por isso, não sabem como fazê-lo da melhor forma – não conseguem manusear o pênis, nem encontrar um ritmo certo. Outras nutrem preconceito ou até nojo. “Mas sabe-se que o oral é uma parte importante nas preliminares e este bloqueio deve ser trabalhado”, ressalta Borzino.

3. Os gemidos são altíssimos e desesperados

A gritaria é um clássico do pornô. Gemer e falar é, sim, fundamental durante a relação sexual, mas isso não quer dizer que o som deve ser considerado um termômetro – quanto mais alto for, mais prazer se sente. Cada um tem seu jeito de mostrar que está bom, não é preciso ter a mesma intensidade o tempo inteiro.

4. Ejaculação no rosto é unanimidade

“Tem gosto para tudo, mas a maioria das mulheres não se sente confortável com ejaculação no rosto”, conta Vivi. Borzino concorda e acrescenta dois motivos: nojo e submissão extrema. Carla ainda compara a atitude ao desejo masculino de marcar o território. Sempre há as que gostam, e não há nada de errado com isso, mas não é uma unanimidade.

5. Lingerie sexy, maquiagem e salto alto estão sempre na cena

Lingerie caprichada não é uma realidade do dia a dia. “É ótimo sair da rotina e fazer uma surpresa para o namorado, mas qual mulher nunca se viu com uma calcinha de algodão lisa e um camisetão em casa? É difícil ser sensual o tempo todo”, conta Vivi. Por isso, invista no visual de vez em quando, mas não se sinta culpada quando estiver à vontade em casa. Afinal, o sexo pode acontecer a qualquer momento e você também pode ser sexy com camiseta antiga.

6. Os seios são gigantes

Os pornôs mostram atrizes invariavelmente voluptuosas. Mas nem todas as mulheres correspondem a este padrão - e se amam exatamente do jeito que são. É importante lembrar que cada uma tem um atributo e não é unanimidade na ala masculina gostar de uma grande comissão de frente.

7. A ejaculação é impressionante

“O homem ejacula de 3 a 5 mililitros a cada relação sexual”, revela Borzino – não aquela quantidade interminável dos filmes. Portanto, é importante que as moças saibam que a quantidade de sêmen não tem ligação com o fato do parceiro ter tido mais ou menos prazer. “Muitas pensam que, por eles ejacularem pouco, o sexo não foi tão bom assim”, acrescenta. Não é verdade.

8. A penetração é direta e reta

Os atores introduzem o dedo diretamente na vagina e as atrizes simplesmente amam – e pedem mais. Não é bem assim. O clitóris, ponto extremamente sensível, é uma chave para as preliminares e também deve ser estimulado durante o sexo. “Algumas pacientes acreditam que têm algo de errado com o clitóris delas, mas o errado, na verdade, são os maridos, que não sabem fazer sexo oral. É preciso praticamente dar um beijo de língua, e não friccionar no mesmo lugar até machucar”, ensina Borzino.

Carla frisa as posições mais fáceis para as mulheres atingirem o orgasmo. “Quando a mulher está por cima do homem ou de lado, com penetração sendo feita por trás, fica mais fácil masturbar ao mesmo tempo”.

9. A transa passa por mil posições

Começa na cozinha, passa pela sala, finaliza no quarto. De frente, em cima, embaixo, de cabeça para baixo, por trás. São tantas as acrobacias em uma cena de sexo que, se continuar nesse ritmo, dá até para cancelar a matrícula na academia. “Isso depende da fantasia de cada um. E não tem necessidade de experimentar tudo de uma vez, pode ir aos poucos”, diz Borzino. Veja na galeria abaixo 69 posições para se inspirar:

10. O sexo tem tempo cênico

Em alguns dias, você está muito excitada, e, em outros, nem tanto. Não há regras, nem tempo determinado para se ter um orgasmo. “Demora muito para gravar, são muitas pessoas envolvidas. A expressão, o ângulo e a iluminação devem estar perfeitos, e a atriz precisa sensualizar o tempo inteiro”, afirma Vivi. “Quando você está com o namorado, não. O importante ali é aproveitar o momento, ninguém vai reparar se seu rosto não ficou bem daquele jeito, se apareceu uma celulite ou se seria melhor inclinar um pouco mais a perna”.

11. A ejaculação feminina é frequente

De acordo com Carla, a ciência ainda não descobriu por que algumas mulheres conseguem ejacular, secretando um líquido semelhante à urina. Enquanto nos filmes adultos o fenômento acontece com a maioria, apenas a minoria o faz. “Consequentemente, elas querem passar por esse tipo de situação também, porque imaginam que aquilo, sim, é sentir prazer de verdade.”

12. Orgasmos múltiplos são comuns

É possível ter orgasmos múltiplos ou apenas um só. “Não é necessário chegar ao orgasmo várias vezes para se sentir satisfeita”, finaliza Borzino. Não existem leis, o importante é estar confortável consigo mesma e aproveitar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.