Cintos de castidade masculinos, sex toys artesanais feitos de madeira e softwares que permitem controle remoto de brinquedos foram alguns dos destaques da Venus-Berlin

O bilhete de entrada da Venus-Berlin é o passaporte para uma experiência sensorial única. Com ou sem roupa, homens e mulheres transitam pelos estandes, escolhem brinquedos eróticos e conversam com os vendedores com total naturalidade.

No estande da Joy Club, rede social erótica com mais de 1,5 milhão de perfis, escritor de contos eróticos apresenta sua obra em sessão de leitura acompanhado de modelos
Mariana Blac
No estande da Joy Club, rede social erótica com mais de 1,5 milhão de perfis, escritor de contos eróticos apresenta sua obra em sessão de leitura acompanhado de modelos


Diante dos palcos com exibições de bondage, as pessoas flagram com suas câmeras as demonstrações orgásticas de quem tem tesão por ser amarrado e preso com cordas poderosas até ter os movimentos totalmente controlados.

Sozinhas ou acompanhadas de namorados(as), maridos, mulheres, escravos, etc, as pessoas assistem aos shows de striptease recheados de masturbação e cenas explícitas de relações sexuais. Também há aqueles que estão sempre com as câmeras a postos para fotografar e filmar quem aparecer nu -- e o mais comum é se deparar com atrizes e modelos posando no corredor dedicado aos filmes pornô, em cima de motocicletas poderosas e nos sofás espalhados pelo evento.

Se você vir uma aglomeração, já sabe: ou estão distribuindo brindes, ou alguém tirou a roupa. Após quatro dias vivenciando a experiência de estar em um festival erótico tão peculiar e tão libertador, descobri que na Venus-Berlin há apenas uma restrição que merece ser mantida: para ter acesso ao evento é preciso ser maior de 18 anos. No mais, o limite é o respeito pela livre e espontânea vontade do outro.

Vibradores de madeira da alemã WaldMichlsHoldi
Mariana Blac
Vibradores de madeira da alemã WaldMichlsHoldi

Produtos

Realizada anualmente desde 1997, a Venus-Berlin, na capital da Alemanha, é uma das maiores feiras eróticas do mundo. A edição deste ano terminou neste domingo com algumas novidades, como o sistema de estimulação eletrônica que dá pequenos choques elétricos ou os brinquedos sensuais feitos de madeira.

A Venus é dividida em quatro áreas principais: no espaço Business, as marcas convidam os consumidores a conhecer suas novidades e expõem para os distribuidores suas criações em produtos eróticos inéditos; na Fetish Area, os visitantes encontram inúmeros itens para a prática BDSM (ou simplesmente para colocar uma dose de adrenalina no relacionamento); na Messe Area, atrizes e atores da indústria pornô distribuem autógrafos, posam para retratos e exibem seus dotes artísticos dividindo espaço com lojas e expositores; na Show Area, o clima é de erotismo puro e há um palco montado para receber shows de striptease e masturbação ao vivo ao longo do evento.

Os visitantes podem aproveitar o evento para ampliar a coleção de brinquedos eróticos a preços bem convidativos. Além disso, têm a sorte de serem os primeiros a conhecer os lançamentos das grandes marcas do mercado. Como a tecnologia e-stim, sistema de estimulação eletrônica que provoca a sensação de choques elétricos enquanto os brinquedos vibram em potências variáveis e é a aposta da Mystim para os vibradores Electric Eric, Tickling Truman e Sizzling Simon.

Em outros estandes era possível encontrar diferentes versões do We-Vibe, que ganhou um design mais anatômico e ainda mais potência de vibração: o We-Vibe 4 foi apresentado oficialmente na eroFame, em Hannover, e deve estar disponível no Brasil no final deste mês deste ano.

Entre dildos de tamanhos variados, massageadores, anéis penianos, estimuladores, masturbadores, algemas, chicotes e chibatas, os vibradores da WaldMichlsHoldi eram os representantes dos produtos eróticos feitos com materiais diferentes. Fabricados artesanalmente em madeira, os brinquedos são higienicamente seguros para serem utilizados várias vezes e podem ser limpos apenas com água e sabão neutro.

Na área reservada para os fetiches, as Fucking Machines atraíram os flashes. Desenvolvidas pela alemã Style Fetish, as máquinas parecem engenhocas difíceis de serem operadas, mas se revelam muito simples quando experimentamos o controle remoto que regula as variações e potências de “penetração” dos pênis realísticos localizados na extremidade do brinquedo.

O acessório de castidade Pubic Enemy foi lançado na Venus-Berlin
Divulgação
O acessório de castidade Pubic Enemy foi lançado na Venus-Berlin

Fetiche sob medida

Os fetichistas tinham à disposição na Venus-Berlin marcas exclusivas de roupas de vinil, látex, couro e muita renda e podiam conversar com os estilistas para modelar as peças de acordo com seus desejos.

Fazendo companhia para corseletes bem acinturados e peças usadas pelos praticantes do BDSM estavam os estimuladores de uretra, as cintas penianas, coleiras, mordaças, máscaras de gás e cintos de castidade, escolhidos pelos fetichistas que gostam da sensação de ver o pênis impedido de ter ereção. Chamados de cockage, os acessórios de castidade devem ser colocado na base do pênis, mantendo-se bem ajustados aos testículos.

Outro destaque da feira foi um software que permite ao usuário, por meio de uma senha, interagir à distância com brinquedos eróticos. Ou seja: você pode assistir pela webcam alguém se masturbando com um brinquedo controlado por você, conectado ao sistema interativo. A ideia, apresentada pela empresa americana Chat and Touch, pode revolucionar o sexo virtual.

Leia mais

Testadora de brinquedos eróticos: "Escrever sobre sexo não é besteira"

11 livros que mudaram a história do sexo

69 posições sexuais ilustradas


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.