Análise, tantra e bioenergética podem ajudar mulheres, homens e casais a recuperar o desejo e melhorar o desempenho na cama

Indicado ao Oscar deste ano,  filme “As Sessões” colocou em evidência um controverso método de terapia no qual uma terapeuta desenvolve um trabalho corporal que chega a envolver sexo com os pacientes.

Liberado nos Estados Unidos, esse processo terapêutico não é permitido no Brasil. Mas outras terapias sexuais que envolvem trabalho corporal, como o tantra e a bioenergética, são admitidas, mesmo não sendo tão radicais no contato físico como a que acontece no filme. A definição de qual tipo de tratamento será adotado depende do problema do paciente e da indicação do profissional especializado.

Protagonizado por Helen Hunt e Mark O'Brien, o filme
Divulgação
Protagonizado por Helen Hunt e Mark O'Brien, o filme "As Sessões" colocou em evidência uma polêmica terapia sexual

“A terapia sexual é indicada quando há alguma disfunção, transtorno ou desvios de sexualidade”, descreve Imacolada Marino Gonçalves, psicóloga e terapeuta sexual da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. “Os problemas podem ser de origem orgânica ou psíquica, mas muitas vezes são uma combinação dos dois fatores. O homem que não consegue ter uma ereção por um questão de saúde fatalmente vai ser afetado psicologicamente por essa condição ”, completa.

Imacolada explica que a gama de problemas sexuais é vasta. Entre os homens, são comuns os casos de ejaculação precoce e disfunção erétil.

Já o vaginismo, dificuldade de penetração causada pela contração involuntária dos músculos da região pélvica, afeta frequentemente as mulheres.

Sintonia psicológica

Mas muitas vezes os problemas acontecem mesmo por falta de sintonia do casal na cama. “As mulheres fazem sexo quando estão bem. Já homens fazem sexo para ficar bem”, compara Imacolada. “O desafio da terapia é equilibrar esses dois mundos”, arremata.

Naturalmente, a terapia não precisa ser necessariamente corporal, podendo ser exclusivamente verbal. “Muitos pacientes com queixas na área da sexualidade se beneficiam da análise. Eles se libertam, pois a prisão se dava ao nível psíquico e estava relacionada à dificuldade em viver as próprias emoções”, pondera a psicanalista Luciana Saddi, membro associado da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo.

Leia mais: Sexo tântrico: mais prazer e energia

Para Imacolada, terapias sexuais corporais devem ser complementares à verbal. “Se o casal tem um problema emocional profundo, de nada vai adiantar aprender uma técnica dedicada exclusivamente ao corpo”, analisa.

Apenas com roupas íntimas ou nus, mulheres e homens usam a massagem Tantra para melhorar o desempenho na cama
Bruno Zanardo/Fotoarena
Apenas com roupas íntimas ou nus, mulheres e homens usam a massagem Tantra para melhorar o desempenho na cama

Dentre as terapias corporais, se destacam a bioenergética e o tantra. Sem contato com os genitais do paciente, a primeira prática propõe, por meio de massagens, movimentos e controle da respiração, a liberação de energias reprimidas no corpo. A pélvis, as costas e o peito são os pontos-chave onde a técnica é aplicada. 

“Nos tempos atuais, muitas pessoas não têm satisfação sexual porque projetam equivocadamente seu desejo no consumismo e na obtenção de poder. É preciso redirecionar essa energia para o prazer”, opina a psicóloga Liane Zink, diretora do Instituto de Análise Bionergética de São Paulo.

Em sessões que duram entre 1h30 e 2h, o tantra se diferencia pelo contato do profissional com o órgão sexual da (o) paciente. “Os genitais são praticamente a base do nosso trabalho, especialmente por sua característica de serem tecidos orgânicos com o maior número de enervações”, ressalta o terapeuta Deva Nishok, responsável pelo Centro Metamorfose, sediado na cidade de Itapeva (MG), mas com unidades em capitais como Rio e São Paulo.

Nus enquanto recebem a massagem em todo o corpo e genitais, mulheres, homens ou casais não podem interagir com o terapeuta. “No Metamorfose, quando descobrimos que houve interação entre um cliente e um profissional, ele é excluído do nosso quadro de atendimentos sem direito a retornar”, esclarece Nishok. “Nosso trabalho não é prostituição ou programa sexual”, acrescenta.

“No tantra, aprendemos que essa fonte de energia conhecida como orgasmo não se manifesta somente através do sexo”, diz Nishok. “Rompendo com os condicionamentos limitantes das pessoas, procuramos expandir a libido“, conclui.

Veja o Guia de Posições Sexuais com 69 ideias para inovar

Cheryl T. Cohen Greene:
Divulgação
Cheryl T. Cohen Greene: "Sou uma terapeuta do sexo, ‘não uma substituta para o sexo'"

Mais sobre a terapia polêmica

Autointitulada como terapeuta do sexo, a americana Cheryl T. Cohen Greene ficou famosa ao ter sua rotina de trabalho retratada no já citado filme “As Sessões”. No cinema, a terapeuta é vivida por Helen Hunt, trabalho que rendeu à atriz uma indicação ao Oscar de atriz coadjuvante. Com o mesmo título da película, a autobiografia de Cheryl acaba de ser lançada no Brasil pela editora BestSeller. A obra combate a ideia de que seu trabalho é a mesma coisa que prostituição.

“É verdade que faço sexo com a maioria dos clientes, mas isso ocorre apenas após termos passado por alguns exercícios planejados para desenvolver a consciência corporal... Vale a pena ressaltar que sou uma terapeuta do sexo, ‘não uma substituta para o sexo’”, defende Cheryl em seu livro.

“Tive clientes de todos os tipos e classes econômicas. O mais jovem deles tinha 18 anos, e o mais velho, 89”, disse Cheryl, que contabiliza ter tido mais de 900 parceiros sexuais.

Mais em Amor e Sexo: 
Ex-militar vira “Guru do Orgasmo” na Inglaterra
Terapeuta australiana afirma que existem dez tipos de libido

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.