Enxergar só uma característica do outro ou dar muita importância ao detalhe: experts ensinam a analisar o relacionamento e descobrir se você idealiza demais o parceiro

Diferentemente da música “La Vie em Rose”, que embala tantos momentos românticos ideais, a vida real não é totalmente cor de rosa. O seu amado – como todas as pessoas – também tem defeitos, às vezes difíceis de enxergar. Se esse é o seu caso, cuidado: você pode estar sofrendo de miopia amorosa.

Segundo o psicólogo Ailton Amélio, isso ocorre quando se projeta no outro aquilo que se gostaria que ele fosse. “Apaixonar-se envolve admirar o outro. E a admiração envolve idealização”, explica o especialista, autor do livro “Relacionamento Amoroso” (Publifolha).

Miopia amorosa: projetar é natural da paixão, olhar deve ser distanciado após certo tempo
Getty Images
Miopia amorosa: projetar é natural da paixão, olhar deve ser distanciado após certo tempo

A miopia faz com que você olhe de tão perto que acabe enxergando só uma característica do parceiro. “Você vê apenas um ponto, geralmente aquele que pensava ser o mais importante em um homem”, explica a coach de relacionamentos Margareth Signorelli.

Esse tal ponto varia de mulher para mulher, de acordo com idade e características pessoais. Uma mulher madura pode estar procurando um parceiro bem-sucedido, não necessariamente rico. Já uma mais jovem pode estar buscando apenas um corpão. Elas focam tanto nesses pontos pré-definidos que acabam esquecendo que o parceiro não é só aquilo.

Foi exatamente o que aconteceu com a universitária Marcella Munhoz, que sempre quis – e arrumou – um namorado com abdômen definido. A relação era ótima, até que ele começou a cobrar dela que também perdesse peso. “Ele me fazia sofrer horrores, colocava minha autoestima super para baixo”, desabafa a estudante.

Ao realizar o sonho do tanquinho próprio, Marcella apresentou o primeiro sintoma de miopia amorosa: focou demais em uma parte – o abdômen – e acabou se esquecendo do todo. “Tem que enxergar de longe. Só se afastando podemos ver que a pessoa é muito mais do que isso”, aconselha a coach.

E esse “muito mais do que isso” pode não ser nada agradável. Quando observado de longe, talvez o príncipe se mostre, na verdade, um sapo – daqueles que destratam o garçom, não falam português corretamente, são um tanto frouxos com os amigos enquanto bancam o machão com você, entre outras atitudes extremamente broxantes.

“Todo meu tempo livre era para ele”

A analista de trade marketing Thalita Gut Pilcsuk viveu um romance que já começou com pouca probabilidade de dar certo. Bem colocada profissionalmente e com mestrado concluído, ela se apaixonou por um homem com baixo grau de instrução e que havia voltado para a casa dos pais após um divórcio.

Mesmo com tantas diferenças, Thalita apostou na relação. “Eu achava que ele era o amor da minha vida. Todos diziam que eu estava vivendo a vidinha que ele queria e tinha deixado minha família, meus amigos. Todo meu tempo livre era para ele”, conta a analista de trade marketing, que sustentou a relação emocionalmente e financeiramente por dois anos.

Afastar-se de pessoas próximas é mais um sintoma da miopia. “Você monta uma lente que distorce e tende a ver do seu jeito”, comenta Amélio. A partir desta distorção, é muito comum o míope amoroso brigar com amigos e familiares que tentam lhe abrir os olhos, o que o afasta ainda mais do próprio círculo.

Marcella e Thalita superaram a miopia e, hoje, estão em outros relacionamentos. Marcella recorreu a sessões de terapia para ajudar. “Com muita clareza, minha terapeuta me mostrava aos poucos o quanto aquela pessoa não me fazia bem”, declara. A maior lição da experiência foi aprender a fazer uma autoanálise e se colocar em primeiro lugar.

O desfecho de Thalita foi um pouco mais dramático. Ela acabou descobrindo que o ex a traía com uma amiga de melhores condições financeiras. “Até hoje, não sei exatamente quem é a pessoa a quem me dediquei por dois anos. Era um desconhecido, por quem eu não sentia absolutamente nada”, conclui a analista de trade marketing.

Mas nem sempre a miopia amorosa é algo ruim. Depende da recorrência, da intensidade e de quanto ela complica a vida de uma das partes. “O mecanismo pode ser bom para preservar o relacionamento, mas se torna disfuncional quando a pessoa está carente e tende a repetir isso. Tem gente mais predisposta a se apaixonar e distorcer”, completa Ailton.

>>> Veja cinco passos para reconhecer se você sofre de miopia amorosa

1. Escreva tudo aquilo que você gostaria num parceiro. Se estiver com ele só pelo corpão, só porque ele tem grana ou mesmo só porque o sexo é bom, você está focando em um ponto só.

2. Tome distância para observar o parceiro diariamente. Repare nas atitudes e comportamentos dele. E tenha coragem de reconhecer aquilo que não lhe agrada.

3. Química, compatibilidade e comunicação entre vocês também devem ser avaliadas. Observe situações espontâneas, cotidianas, para concluir como as coisas estão indo nesse ponto.

4. Você anda evitando familiares e amigos porque não aguenta mais o discurso de que ele é o cara errado para você? Pare e tente ver com os olhos deles. Mas só leve em conta as pessoas que realmente se importam com você.

5. Tenha visão de futuro. Vocês têm um plano juntos? Em caso negativo, é melhor dar uma limpada nos óculos ou ajustar o grau das lentes de contato.

Leia também
- As armadilhas do amor: cinco mitos que atrapalham o relacionamento
- Teste: ele é um príncipe, um sapo ou uma cinderela?
- Flávio Gikovate: "as mulheres são confusas a respeito do homem ideal"

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.