O Delas conferiu a apresentação que mistura posições sexuais, tequila e ousadia de go-go boys e go-go girls

Cerca de 150 pessoas dispostas em fila indiana, a maioria mulheres, conversam agitadas entre risinhos e gritos de excitação. A demora – que não vai além de 15 minutos – parece deixar o grupo ainda mais ouriçado.

Ao ouvir um som de apito vindo do interior do espaço cercado por divisórias que sucede a fila de espera, o público vai ao delírio. Uma mocinha mais afoita dispara: “Assim você mata a mamãe”.

Os homens e mulheres que fazem o show erótico
George Magaraia
Os homens e mulheres que fazem o show erótico

Leia o especial:

Mercado erótico aposta em ‘sadomasoquismo elegante

Para apimentar a relação, casais frequentam feiras eróticas

O segurança que controla a fila finalmente libera a entrada. Dentro do espaço chamado de Tequila Hot - uma das atrações da Hot Fair, maior feira erótica da América Latina que aconteceu no Rio de Janeiro entre os dias 20 e 25 - 85 cadeiras formavam dois corredores: um para mulheres e outro para homens.

Quando todos já haviam tomado seus lugares seis tequileiros – três mulheres ‘go go girls’ e três homens ‘go go boys’ – invadiram a cena.

As meninas, trajando mini short, top, meia arrastão, tinham um apito na boca. Os meninos, com calças e acessórios como suspensórios, boina, sensualizavam com um chapéu de cowboy.

O contexto não seria muito diferente das tradicionais despedidas de solteiro ou apresentações mais comuns com a presença de go go boys e go go girls, não fosse a ousadia dos profissionais para o strip-tease e a recepção calorosa da plateia.

Nas apresentações que se repetiram diversas vezes das seis da tarde à meia-noite, nos seis dias de feira, os tequileiros interagiram com o público explorando posições sexuais, doses de tequila colocadas no “boca a boca”, movimentos para lá de eróticos com direito a muito contato físico.

Na sessão presenciada pelo Delas, a trilha sonora que embalava era o funk.

Apesar das cenas de simulação de sexo explícito com os integrantes da plateia e da visível perplexidade do público diante da proposta inusitada, homens e mulheres deixaram o pudor do lado de fora.

Em um dos momentos um go go boy ergueu uma das moças colocando-a sobre seus ombros simulando uma cena de sexo oral na menina, que gritava eufórica. Em seguida outro go go boy passa ao lado e dá um tapa no bumbum da moça. Na outra ponto do corredor, um go go boy puxa uma das meninas da cadeira e faz a moça se curvar simulando uma cena de sexo na posição cachorrinho.

Já as go go girls sobem em cima dos rapazes, erguem uma das pernas e batem com a região genital contra o rosto dos meninos. Uma delas conduz um eleito para uma cadeira afastada das demais onde ela planta bananeira, enlaça o pescoço dele com as pernas e sacode a cabeça do rapaz com o bumbum.

O número dura cerca de 15 minutos. De acordo com o gerente geral da feira, Osmar Gil, 35 anos, o espaço Tequila Hot foi uma opção acertada. “É a grande novidade da feira que está em seu quarto ano. É o maior sucesso”, comemora.

Após a apresentação, o Delas conversou com alguns tequileiros e integrantes da plateia. Assista:

A go go girl Débora Andrade conta como é o ofício na prática:

O go go boy Vitor Sunmer explica como é trabalhar com o público feminino:

A recepcionista Angélica Quintão, 24 anos, abre o jogo sobre o que acontece no Hot Tequila:


Leia também

Por que o contrato de "Cinquenta Tons de Cinza" é tão importante?
Leia o contrato sadomasoquista de "Cinquenta Tons de Cinza"
"Quero brincar de 'Cinquenta Tons de Cinza'"
"Cinquenta Tons de Cinza" bate "Harry Potter" e impulsiona sex shops britânicas
"Cinquenta Tons de Cinza" rende US$ 1 milhão por semana para autora
Produtores de "A Rede Social" vão adaptar "Cinquenta Tons de Cinza" para o cinema

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.