Adauto não está sozinho, todo mundo já sentiu dor de amor. Porém, algumas atitudes ajudam a amenizar o sofrimento

Todo mundo tem uma história triste para contar sobre o término de um relacionamento. Ao final da fase difícil, fatalmente descobrimos que os outros só fazem conosco aquilo que permitimos. A boa notícia é que um coração partido pode ser regenerado. “O que varia é o tempo de recuperação”, diz a consultora Margareth Signorelli.

Na novela “ Avenida Brasil ”, transmitida no horário nobre pela Rede Globo, Adauto (Juliano Cazarré) vive momentos de desespero após descobrir a traição de seu grande amor, Muricy (Eliane Giardini). 

O apaixonado Adauto não consegue aceitar o fim do relacionamento e come fotos dele com sua amada Muricy
Divulgação
O apaixonado Adauto não consegue aceitar o fim do relacionamento e come fotos dele com sua amada Muricy




E se passar por momentos tristes é inevitável após o término de um relacionamento amoroso, a forma de viver essas situações pode amenizar o sofrimento. Os cinco passos abaixo convidam à reflexão.

1. Aceite o que você não pode mudar
Geralmente, quem foi deixado não admite o término do romance facilmente. “Algumas pessoas acordam durante a noite confundindo a realidade com um pesadelo”, conta Margareth. Alguns “enxergam” amor nos olhos do “ex” e acreditam que a pessoa se afastou por algum motivo obscuro ou mágico, nunca por vontade própria.

Para Cláudya Toledo, da agência A2 Encontros, é preciso controlar a ansiedade. “Não adianta ficar esperando por telefonemas ou convites de reconciliação”, comenta a especialista. Segundo ela, o melhor a fazer é encarar a realidade e aceitar que a conexão terminou. Vai doer muito, mas é necessário.

A aceitação é protetora neste caso, pois impede que a pessoa deixada passe por humilhações diante dos outros e que perca a noção de amor próprio. Adauto, por exemplo, ficou tão transtornado que perdeu a linha ao comer fotos picadas dele com sua amada.

2. Viva a sua dor com dignidade
O sofrimento pelo término de um relacionamento pode ser tão grande que algumas pessoas sentem dor física. “O indivíduo sente-se muito mal, até com dor no peito, uma sensação de vazio e uma enorme vontade de não sair do lugar”, comenta Cláudya.

Alguns tentam ignorar essa fase difícil consumindo bebidas alcoólicas ou frequentando baladas. Bobagem, uma hora a dor vai bater. Desabafar com o melhor amigo é muito bom, mas ficar algum tempo só – para chorar mesmo – é extremamente importante.

É possível que a vida profissional seja prejudicada durante esta fase. Negociar alguns dias de férias é um bom caminho para sofrer em paz.

3. Mesmo com raiva, seja inteligente
“A maioria das pessoas pensa que a raiva é um sentimento totalmente negativo, mas não é. Ela nos movimenta e tem uma energia de ação que pode ajudar a tomar decisões muito importantes na vida”, ressalta Margareth. Falar meia dúzia de desaforos na cara dele pode ser bom, mas é preciso ter muita segurança para fazer isso – e se você ‘balançar’ na hora h?

Tentar ‘dar o troco’ perseguindo o “ex” ou ficando com o melhor amigo dele são atitudes que reforçam ainda mais a importância do outro. Bom mesmo é usar essa força toda para jogar as lembranças do namoro no lixo e apagar o telefone dele do celular.

4. Reinvente o que é palpável
A ideia é valorizar sua personalidade transmitindo para a realidade uma mudança íntima em curso. Como? Mudar a cor do cabelo e comprar lindas roupas novas, por exemplo. Aquela velha promessa de malhar não poderia ser concretizada em melhor hora. Outras ideias: reformar a casa, trocar a cama de casal, fazer uma limpeza geral no guarda-roupa, etc.

É tempo de sair de casa para programas divertidos. Mas, lembre-se: “Cuidado para não se envolver rapidamente”, ressalta Margareth. Isso porque, junto com a recuperação, surge uma vontade enorme de ser feliz. Porém, o envolvimento com uma pessoa qualquer pode desestruturar suas certezas e gerar comparações com o “ex”.

5. Retome o controle da sua vida
Apesar do tempo necessário para colar os pedaços, o coração partido volta a bater forte. “É bom saber que as situações difíceis existem, mas temos capacidade para superá-las e ainda aprender”, ressalta Cláudya Toledo.

Retomar o controle da própria vida tem a ver com aquela sensação de ‘poder’ que nos invade quando fazemos algumas coisas sem companhia, mas mesmo assim nos divertidos, como ir ao teatro, viajar para outro país ou simplesmente curtir um filminho com pipoca em casa. Afinal, querer um relacionamento amoroso é diferente de ‘precisar’ de uma pessoa ao lado.

Você estará disponível para um novo amor quando topar correr riscos novamente. Amar é arriscado, e agora você sabe bem disso.

> LEIA O SEU HORÓSCOPO MENSAL PARA OUTUBRO

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.