Pesquisa aponta que quase 50% dos usuários estão online para conquistar alguém. Conheça casais que engataram um namoro pela rede

O álbum de fotos de Rejane no Facebook já tem imagens do casal em momentos offline
Reprodução
O álbum de fotos de Rejane no Facebook já tem imagens do casal em momentos offline
Alguém comentou uma foto, “curtiu” sua frase ou te deu um cutucão no Facebook? Isso pode sim ser uma versão do bom e velho xaveco. Isso porque 48,2% dos usuários declararam utilizar a rede social para a conquista. É o que aponta a pesquisa “Flertebook”, coordenada pela agência Blue Id com 905 brasileiros entre 18 e 25 anos.

A pedagoga Rejane Leão, de 34 anos, faz parte dessa estatística. “Fui pedida em namoro pelo Facebook”, conta. Quem oficializou a relação foi o engenheiro Evandro Garcia, 41, que ela conheceu por meio de um aplicativo na rede social. Mesmo sem amigos em comum, os dois se adicionaram. O envolvimento ficou sério depois de um mês de bate papo diário e troca de postagens com música um para o outro. Até a primeira crise de ciúmes do casal aconteceu online: Rejane não gostou de ver mensagens de uma amiga no mural do namorado.

Amigos em comum podem ajudar
Melina Maia, de Salvador, não considerava a possibilidade de achar um namorado pelo Facebook. A psicóloga de 24 anos conta que ficou até assustada ao receber a primeira mensagem de Jordan Mendes: “Ele falava que eu era a pessoa mais bonita que já tinha visto na vida”, conta. O impacto ruim passou depois de dar uma olhada no perfil do rapaz e puxar a ficha dele com uma amiga em comum. Conversaram pelo bate-papo por uma semana até saírem em um primeiro encontro. Mudaram o status para “em um relacionamento sério”, depois de dois meses juntos e, um ano depois, ela garante: “Ele é o amor da minha vida”.
Para a psicóloga Dora Sampaio Goés, histórias como a de Melina têm boas chances de darem certo: “Ao conhecer alguém que é amigo de um amigo, é mais como conhecer alguém na vida real. Já através de um aplicativo não é tão provável”, diz. A especialista ainda complementa: “Se é amigo de um amigo, já tem coisas em comum, interesses culturais, intelectuais. E depois acabam descobrindo outras”, conclui.
Germano Penalva, coordenador da pesquisa, também ressalta que ter amigos em comum é um aspecto que traz veracidade às informações postadas na rede social: “Se eu ponho uma foto minha muito diferente do real, meus próprios amigos vão me denunciar, dizer que não sou eu naquela foto”, diz.

Por falar em fotos, um dos segredos para se dar bem no flerte via Facebook é ter uma boa imagem no perfil. De acordo com a pesquisa Flertebook, esse é requisito básico para 87,5% dos usuários prestarem atenção em alguém. Foi justamente a imagem que atraiu Ana Paula Laport a fazer uma visitinha ao perfil de Victor Rocha, seu atual namorado.
No primeiro encontro, Victor e Ana foram assistir a um filme sobre o Facebook
Wagner Meier / Fotoarena
No primeiro encontro, Victor e Ana foram assistir a um filme sobre o Facebook


“No mural de uma amiga vi vários recados de um tal de Victor, de barba e olhar sedutor. Então "fucei" o perfil dele também e gostei do que vi: olhos verdes, estilo meio alternativo, cara de gente boa”, contou a estudante de produção do Rio de Janeiro. Ela conta que passava três vezes por dia no perfil do pretendente para admirar as fotos dele e ver se realmente ele não tinha uma namorada. Ela também ficou bem curiosa quando leu no perfil que ele dança tango.

Com a forcinha de uma amiga em comum, Victor adicionou Ana como amiga, mas eles demoraram a engatar um romance. “No máximo ele curtia algum comentário meu e vice-versa. Também não quis insistir, podia parecer atirada”, diz ela. Parcimônia na interação é realmente importante na conquista. Se telefonemas demais sufocam, a pesquisa apontou que funcionalidades como “curtir” aproximam, mas, se usadas em excesso, acabam afastando.

O primeiro encontro de Victor e Ana demorou pra sair, mas depois de algumas tentativas frustradas eles se encontraram para ir ao cinema. O filme? “A Rede Social”, longa sobre o surgimento do Facebook.

Guia da Paquera no Facebook
Com base na pesquisa – e no bom senso – listamos 7 dicas para ter sucesso no xaveco virtual:
- Ser bem humorado é uma das principais qualidades que os internautas buscam em um par. Portanto, capriche nos comentários espirituosos.
- A máxima “a primeira impressão é a que fica” também vale para a internet. A foto principal deve ser bonita e sincera – sem exibicionismo ou tratamento de imagem.
- Casado, solteiro ou enrolado? Diga logo! Na pesquisa, 84% dos entrevistados acham essencial que o perfil tenha a informação de status de relacionamento.
- Deixar claro o gosto musical e os locais que frequenta ajuda a achar um pretendente com interesses em comum.
- O ritmo de resposta online é diferente de uma conversa real. Dê tempo ao tempo e espere um retorno claro da outra pessoa antes de cutucar, comentar e chamar para bater papo toda hora.
- Cuidado com o “cutucar”. Se o recurso já é chato pessoalmente, no mundo virtual pode ser entendido de forma ambígua. Não é apropriado cutucar quem você não conhece ou não tem intimidade.
- Foto na balada ou imagens nojentas? Cuidado com aquilo que você publica. As postagens de conteúdo inadequado foram apontadas por 28,3% dos usuários como responsáveis pela desistência do flerte.

Flertebook: Veja quais os são os perfis de usuários do Facebook e as características que são atraentes para cada um deles:

Leia também:
Perdas e ganhos dos casamentos abertos
Casados e buscam amantes pela internet
Sexo no casamento: perguntas respondidas

    Leia tudo sobre: facebook
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.